sucesso e critica

O “Shaw do Tucuruvi”




Shaw do Tucuruvi

MAZZAROPI CONQUISTA A TELEVISÃO

Tremeu e gaguejou diante do microfone no dia de estréia – Sabe colocar no bôlso qualquer platéia, contando anedotas, cantando e declamando modinhas sertanejas.

Texto de AIRTON RODRIGUES
Fotos de FRANCISCO VIZZONI

[Revista O Cruzeiro] SÃO PAULO, junho.

A FIGURA mais popular da televisão entre nós é a de um sujeito que usa chapelinho de palha amarrotado, paletó e calças de brim riscado, grossos borzeguins e um lenço colorido amarrado ao pescoço à maneira de uma grande e espalhafatosa gravata. A cara maquilada, uma carapinha ruiva, olhos vivíssimos e um sorriso aberto, mostrando falhas na dentadura, à custa de carvão ou de uma tintura negra. Chama-se o sujeito: Mazzaropi – Amácio Mazzaropi, nome de batismo, hoje conhecido em todo o Brasil como “o maior caipira do rádio e da televisão”.
O grande humorista do “video” vem do rádio. Antes, vinha do picadeiro, onde iniciou carreira como todos os “caipiras”, contando anedotas, cantando e declamando modinhas sertanejas. Há uns dez anos, Mazzaropi aparecia ao lado de um tal faquir Ferry, excursionando por dezenas de cidades do Estado bandeirante, como um autêntico caboclo do Interior. Nada o diferenciava do que ele é hoje. A mesma técnica, quase que as mesmas piadas. Êle sabia cativar o seu público como nenhum outro. Discutia assuntos domésticos com uma sinceridade e franqueza que chocava. O humor era a sua própria história vivida com a “mulher” (ele continua solteirão inveterado). E acima de tudo a sua naturalidade im- […]